segunda-feira, 16 de setembro de 2013

Cabra-cega: Do brincar à tela do artista

Assim como, o Pega-pega, a Cabra-cega é classificada como uma brincadeira de perseguição, a qual, conforme apresentamos na postagem do dia 12/09/2013, faz parte da cultura lúdica infantil desde a antiguidade.

Desse modo, podemos verificar que, a  brincadeira da "Cabra-cega", é uma produção cultural humana que tem sido perpetuada por meio de diversas linguagens, inclusive de pinturas em tela como as que apresentamos abaixo.





O processo psicológico da imaginação articula-se com a atividade criadora da criança, ou seja, de produzir o novo recombinando elementos da realidade. A imaginação e a fantasia não se criam do nada, mas sim de elementos tomados da experiência presente e passada dos sujeitos. Assim, as crianças apropriam-se das referências culturais das experiências cotidianas familiares e de outros espaços, bem como da mídia, hoje tão presente em suas vidas, como conteúdo de seus processos de imaginação e de criação, não apenas as reproduzindo, mas recriando-as (BORBA, 2009, p. 74).

Como podemos ver, o artista mediante suas obras não deixa morrer a memória cultural dos povos, sendo assim, que tal utilizarmos a apreciação das telas apresentadas acima para resgatarmos a tradicional brincadeira do cabra-cega?

Conforme encontramos, na coleção PROINFANTIL (mód IV, unidade 5), não há um jeito de entender uma produção artística, seja ela, um filme, uma peça teatral, uma música, uma pintura, entre outras, pois, "[...] Cada um de nós, diante de uma obra de arte, terá um entendimento pessoal, particular; vai entender do seu jeito!" (2006, p. 15).

De acordo com esse documento, o modo como entendemos uma produção artística, está relacionado com o repertório de imagens, de sons, de movimentos, de palavras, cores etc., que possuímos em nossas memórias.


Desse modo, o que nos faz compreender uma produção artística "do nosso jeito", é movimento de estranhamento, o qual diz respeito 

[...] ao movimento que permite que possamos entender a obra, dialogar com ela. Quando estamos diante de uma obra, acionamos nossos repertórios, buscamos diferentes ângulos de visão: ver de novo, de perto, de longe, aos pedaços, no todo. Vemos e lembramos de outras coisas que já vimos antes e que estão guardadas na nossa memória, comparamos, sentimos a diferença[...] (PROINFANTIL, mód IV, unidade 5, 2006, p. 15).

Nesse sentido, nós do Crinfancia, defendemos a prática de apreciação de diversas produções artísticas, visto que, quanto mais obras a criança ver, ouvir e assistir, mais imagens, sons, movimentos, palavras, sensações ela terá em seu acervo e, portanto, mais facilmente, com o estranhamento, poderá compreender outras obras que conhecer depois. Sendo assim, é nesse movimento de estranhamento proporcionado pela prática de apreciação de produções artísticas que serão ampliadas as experiências da criança com a Arte.

E, foi pensando nisso, que nós do CRINFANCIA, sugerimos que,  você professor (a) utilize algumas das obras acima apresentadas para resgatar a brincadeira da "cabra-cega", com o seu grupo de crianças, para isso, acompanhe as dicas pedagógicas abaixo:
  • Apresente as telas dos diferentes artistas que retrataram a brincadeira da cabra-cega e questione: 
       - O que os artistas estão retratando nas telas apresentadas?
       - Qual a obra que você mais gostou?
       - Você conhece a brincadeira retratada nas telas?
  • Solicite às crianças que conhecem a brincadeira, que expliquem quais as suas regras;
  • Realize a brincadeira da "cabra-cega" com seu grupo de crianças;
  • Assim como os artistas, incentive as crianças desenharem a brincadeira;
  • Proponha ao grupo, a escrita de um texto coletivo, que explique quais as regras da brincadeira.
Referências: Borba, Angela Meyer. A brincadeira como experiência de cultura. In: Corsino, Patrícia. Educação Infantil cotidiano e políticas. 2009. Campinas –SP, Editora Autores Associados.

Livro de estudo: Módulo IV / Karina Rizek Lopes, Roseana Pereira Mendes, Vitória Líbia Barreto de Faria, organizadoras. – Brasília: MEC. Secretaria de Educação Básica. Secretaria de Educação a Distância, 2006. 76p. (Coleção PROINFANTIL; Unidade 5).

2 comentários:

Denise Mara Fernandes Cunha disse...

Adorei seu blog, voltarei mais vezes para visitá-lo e por em prática atividades artísticas excelentes que encontrei aqui.
Parabéns

eliane monica disse...

Que Denise que tenha gostado dos nossos conteúdos, nosso objetivo é exatamente esse, contribuir para a prática pedagógica dos professores(as) que como você buscam realizar um trabalho de qualidade sem perder de vista as necessidades e interesses de seus alunos.